Thursday, February 09, 2012

Doce agonia



Sou um vulcão de espuma 
Que tu semeias com teu sabor
Sou onda mágica no teu sal
Sou toda eu amor


Sobre o teu peito invento desejos
Descendo nas encostas do teu corpo
Acendendo o teu fulgor
Suave, sentido e sofrêgo

Nossa cama é o Universo
As estrelas o travesseiro
E no rasto da lua, plena e sombria
Eis que somos amantes
Nesta doce e eterna agonia

Manuela

Monday, January 23, 2012

Vicia-me...


Vicia-me...
No teu sussurro
Que me sinto ser tua
Embriaga-me
Gole por gole na tua boca nua
O néctar que nos teus beijos
Sacio
A sede que me sufoca e sua

Provoca-me...
Com os teus dedos seda e flor
Passeia-me
Aquecendo-me por inteira
Perco-me
Em gemidos e magia
Acaricio-te...
Loucura quente e fria
No teu corpo a emoção
Arrepia-te
Bebo-te com paixão

Sente-me...
Os meus olhos que te vestem
Sou a rosa mulher
E no céu do teu abraço
Perfumada da tua pele
Adormeço
E ao acordar
Dispo-me no teu olhar

Sem somente um toque teu...
O meu segredo...


Paula Lourenço OZ

Hot

video

Wednesday, September 01, 2010

Loneliness


Qual tem a borboleta por costume



Qual tem a borboleta por costume,

Que, enlevada na luz da acesa vela,

Dando vai voltas mil, até que nela

Se queima agora, agore se consume,



Tal eu correndo vou ao vivo lume

Desses olhos gentis, Aónia bela;

E abraso-me por mais que com cautela

Livrar-me a parte racional presume.



Conheço o muito a que se atreve a vista,

O quanto se levanta o pensamento,

O como vou morrendo claramente;



Porém, não quer Amor que lhe resista,

Nem a minha alma o quer; que em tal tormento,

Qual em glória maior, está contente.



Luís de Camões




Friday, July 30, 2010

Sunday, May 30, 2010

Sentes?

Image and video hosting by TinyPic

Se cada dia cai



Se cada dia cai, dentro de cada noite,

há um poço

onde a claridade está presa.



há que sentar-se na beira

do poço da sombra

e pescar luz caída

com paciência.



Pablo Neruda (Últimos Poemas)



Saturday, March 27, 2010

Novamente

Image and video hosting by TinyPic



Prazer e êxtase


O prazer se
faz em êxtase:
quando o
meu corpo,
feito água,
descobre
todos os
caminhos
do seu
E deixa-se
ficar
onde você
mergulha em
mim.

Stela Fonseca




Image and video hosting by TinyPic

Monday, January 04, 2010

A Vida Suspensa




A vida suspensa, trava o ódio,
Desacordo da sintonia.
Vagas de dor dilacerantes,
Em sentida agonia.

A vida suspensa, no ar flutua.
Alma negra, rude e escura.
Sobre as chamas paira no ar,
Levita ao som do crepitar.

A vida suspensa, que vida?
Era o que querias? Mentira.
A vida suspensa em ti paira.
Flama, queima, range e rasga.

Autor: Manuela


Desligue o music player para ouvir

Wednesday, December 16, 2009

Friday, December 11, 2009

Poema oferecido pela amiga Renata

Image and video hosting by TinyPic


NÃO TENHO DESCANSO

Rabindranth Tagore

Não tenho descanso. Tenho sede de infinito.

Minha alma desfalecente aspira aos remotos desconhecidos.

Grande além!
Ah! o canto dolorido da tua flauta chamando!


Esqueço, esqueço sempre que não tenho asas para voar,

que vivo eternamente preso à Terra.

A minha alma arde e o meu sono foge.
Sou um estrangeiro num país estranho.

Tu murmuras ao meu ouvido uma esperança impossível.
O meu coração conhece a tua voz como se fosse a sua própria voz.

Grande desconhecido!
Ah, o canto dolorido da tua flauta chamando!

Esqueço, esqueço sempre que não tenho o corcel alado.

Não consigo encontrar o sossego,

sou um estrangeiro em meu próprio coração.

Nas brumas batidas de sol das horas lânguidas

que imensa visão de ti me aparece contra o azul do céu!

Grande irreconhecível!

Ah! o canto dolorido da tua flauta chamando!

Esqueço, esqueço sempre que na casa em que habito sozinho,

todas as grades estão fechadas.




Imagem de cima feita por Manuela, (foto montagem), imagem de baixo Deviantart

Thursday, December 10, 2009

O Mundo é Grande

Image and video hosting by TinyPic


Carlos Drummond de Andrade




O mundo é grande

O mundo é grande e cabe
nesta janela sobre o mar.
O mar é grande e cabe
na cama e no colchão de amar.
O amor é grande e cabe
no breve espaço de beijar.

Thursday, December 03, 2009

Poema

Image and video hosting by TinyPic




O fogo que na branda cera ardia,
Vendo o rosto gentil que eu na alma vejo,
Se acendeu de outro fogo do desejo,
Por alcançar a luz que vence o dia.




Como de dous ardores se incendia,
Da grande impaciência fez despejo,
E, remetendo com furor sobejo,
Vos foi beijar na parte onde se via.




Ditosa aquela flama, que se atreve
A apagar seus ardores e tormentos
Na vista de que o mundo tremer deve!




Namoram-se, Senhora, os Elementos
De vós, e queima o fogo aquela neve
Que queima corações e pensamentos.


Luís Vaz de Camões



Sunday, November 29, 2009

Sonhos

Image and video hosting by TinyPic


Sonhos e Pensamentos.


Espalhei meus sonhos aos seus pés. Caminhe devagar, pois você estará pisando neles.






Se destruissemos todos os sonhos dos homens, a terra perderia suas formas e suas cores e nós adormeceríamos em uma cinzenta estupidez.




Tenho mais pena dos que sonham o provável, o legítimo e o próximo, do que dos que devaneiam sobre o longínquo e o estranho. Os que sonham grandemente, ou são doidos e acreditam no que sonham e são felizes, ou são devaneadores simples, para quem o devaneio é uma música da alma, que os embala sem lhes dizer nada. Mas o que sonha o possível tem a possibilidade real da verdadeira desilusão. Não me pode pesar muito o ter deixado de ser imperador romano, mas pode doer-me o nunca ter sequer falado à costureira que, cerca da nove horas, volta sempre a esquina da direita. O sonho que nos promete o impossível já nisso nos priva dele, mas o sonho que nos promete o possível intromete-se com a própria vida e delega nela a sua solução. Um vive exclusivo e independente; o outro submisso das contingências do que acontece.


Fernando Pessoa, in 'O Livro do Desassossego'